Wednesday, July 12, 2017

Bolo de amêndoa e sementes de papoula para celebrar coisas simples

English version

Almond poppy seed cake / Bolo de amêndoa e sementes de papoula

Tempos atrás estava pensando nas coisas que tem o poder de melhorar os meus dias e foi meio que uma surpresa perceber que muitas delas são incrivelmente simples: chegar em casa do trabalho e imediatamente tirar os sapatos (especialmente quando estou usando salto alto), tomar um banho pelando nos dias frios – a pele sofre, mas quem consegue resistir? –, vestir o pijama e relaxar no sofá com uma caneca de chocolate quente... Alguns dias são bem difíceis e me espanta quanto conforto encontro nas pequenas coisas (ou talvez eu seja fácil de agradar, quem sabe?). :)

Enquanto preparava o almoço sábado passado, de repente me dei conta que não batia um bolinho havia séculos – fazer bolos é algo que me deixa bastante feliz: entra na categoria das coisas simples que alegram o meu dia, sobre a qual escrevi no início do post. E também há a vantagem de comer uma fatia de bolo fresquinho entre as refeições, quando bate aquela fominha misturada com uma vontade de comer um doce e uma fruta não resolveria.

Esta é uma receita que já fiz algumas vezes e como as coisas que descrevi no texto é bastante simples, porém ótima: o bolo é saboroso e úmido. Vai bem sozinho, com chá ou café, mas como eu tinha morangos lindos na geladeira decidi servir com o bolo e uma colherada de chantilly. Ainda assim simples, ainda assim boa e reconfortante: como ficar descalça depois de um dia se equilibrando em sapatos de salto. :)

Bolo de amêndoa e sementes de papoula
receita minha

- xícara medidora de 240ml

¾ xícara (105g) de farinha de trigo
1 xícara (100g) de farinha de amêndoa
1 ¼ colheres (chá) de fermento em pó
1/8 colher (chá) de sal
1 ½ colheres (sopa) de sementes de papoula
½ xícara (100g) de açúcar cristal
raspas da casca de 1 laranja
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, amolecida
2 ovos grandes
2 colheres (chá) de Amaretto
1 colher (chá) de extrato de baunilha
½ xícara (130g) iogurte natural desnatado

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma redonda de 20cm de diâmetro, forre o fundo com um círculo de papel manteiga e unte-o também.

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o fermento, o sal e as sementes de papoula. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte o açúcar e as raspas de casca de laranja e esfregue com as pontas dos dedos até aromatizar o açúcar. Junte a manteiga e bata em velocidade médio-alta até obter um creme claro e fofo – raspe as laterais da tigela ocasionalmente durante todo o preparo da receita. Junte os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Acrescente o Amaretto e a baunilha.

Em velocidade baixa, acrescente os ingredientes secos em três adições, alternando com o iogurte em duas adições – comece e termine com os ingredientes secos. Bata somente até obter uma massa homogênea. Despeje na forma preparada, alise a superfície e leve ao forno por 30-35 minutos ou até que o bolo cresça e doure – faça o teste do palito. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Desenforme com cuidado, remova o papel e transfira o bolo para o prato de servir.

Rend.: 8 porções

Friday, July 07, 2017

Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo e mudando de ideia

English version

Roasted butternut squash, bell pepper and chickpea soup with chorizo / Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo

Quem me lê faz tempo já me viu fazer declarações de amor ao frio e também reclamar muito das temperaturas de verão – bem, meus queridos leitores, uma das coisas boas da vida é poder mudar de ideia sobre certas questões, não? Não sei bem o que foi acontecendo no último ano, mas no momento ando de mal com o inverno, me sentindo miserável ao levantar da cama com manhãs de 9-10°C.

Quem mora em países que passam por invernos rigorosos deve estar gargalhando de eu chamar 9-10°C de frio, eu sei. :D

Nunca fui gostei de ficar ao ar livre – nem mesmo quando criança – mas nos últimos meses tenho adorado passar tempo fora de casa, fazendo longas caminhadas em parques – o cheiro das árvores me traz um misto de conforto e felicidade. Talvez seja por isso que o inverno está me chateando: sinto falta de ficar ao ar livre e anda me faltando coragem para encarar o parque em noites de 12°C.

Uma tigela de sopa bem quente tem sido a melhor opção para o jantar ultimamente, e hoje lhes trago uma receita que criei com a Espanha na cabeça: percebi que assar a abóbora em vez de simplesmente cozinhá-la no caldo de legumes dá uma nova dimensão de sabor, mais caramelizado. E quem consegue resistir aos pedacinhos de chorizo crocantes sobre a sopa? Eu não consigo – posso até não ser tão doida por carne de porco como minha mãe era, mas bacon e chorizo me dão água na boca. Fui vegetariana por oito anos e durante todo este tempo não senti falta de nenhuma carne, a não ser de bacon. :)

Sopa de abóbora assada, pimentão, grão de bico e chorizo
receita minha

1kg de abóbora pescoço, já descascada, sem as sementes e em cubos
1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva
sal e pimenta do reino moída na hora
4 dentes de alho, ainda na casca
5-6 galhinhos de orégano fresco
100g de chorizo em cubinhos
½ cebola grande picadinha
1 pimentão vermelho pequeno em cubinhos pequenos
3 xícaras (720ml) de caldo de legumes quente
1 ½ xícaras (300g) de grão de bico cozido e escorrido

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande e rasa com papel alumínio e pincele-o com um fio do azeite. Transfira a abóbora para a assadeira e junte os galhinhos de orégano e os dentes de alho. Regue com o azeite restante, tempere com sal e pimenta e misture bem com as mãos. Arrume os pedaços de abóbora na assadeira uns ao lado dos outros, sem sobrepor. No meio deles vão os dentes de alho e por cima os galhinhos de orégano – é importante que o orégano esteja regado com azeite para não queimar. Leve ao forno por 30-35 minutos ou até que a abóbora esteja macia. Retire do forno e descasque os dentes de alho (quando estiverem frios o bastante para não queimar as suas mãos).

Em uma panela grande, leve o chorizo ao fogo alto e vá fritando até dourar de todos os lados. Retire da panela e transfira para um prato forrado com papel toalha. Na gordura do chorizo refogue a cebola e o pimentão até que amaciem. Junte o alho assado, refogue por 1 minuto, e então junte a abóbora e refogue por mais 3 minutos. Acrescente o caldo de legumes e assim que começar a ferver, abaixo o fogo para médio e cozinhe por 5 minutos. Bata a sopa com o mixer ou no liquidificador – se usar o liquidificador, tome muito cuidado para não se queimar: remova a tampinha menor e então cubra a tampa com um pano de prato seco dobrado – desta forma o vapor tem por onde sair e a mistura não espirrará em você.
Quando a sopa estiver lisa, junte o grão de bico e cheque o tempero. Transfira a sopa para tigelas ou pratos e salpique com o chorizo na hora de servir.

Rend.: 5-6 porções

Alternativas para o chorizo: bacon ou linguiça defumada com uma pitada de páprica e outra de pimenta caiena.




Tuesday, July 04, 2017

Blondies de chocolate branco e limão siciliano para comemorar 11 anos de TK

English version

White chocolate and lemon blondies / Blondies de chocolate branco e limão siciliano

Na época em que ainda estava planejando escrever o livro de receitas lembro de ter dito ao meu marido que incluiria um montão de receitas cítricas, tantas quanto fossem possíveis, e muitas delas seriam de doces de limão siciliano – só de pensar já sinto a boca repuxar, tamanho o meu amor pelo azedinho perfumado da fruta.

Entretanto, a cada ida ao supermercado o preço dos limões sicilianos me deixava abismada e eu voltava para casa de mãos abanando – fiquei desempregada por um bom tempo e não tinha coragem de pagar absurdos R$ 15,00, às vezes até mais, no quilo da fruta. Passei de querer um livro cheio de receitas com o meu querido limãozinho a selecionar com cuidado as receitas nas quais usaria o ingrediente. :(

Esta é uma das razões pelas quais fiquei tão orgulhosa destas blondies: são deliciosas, perfumadas de limão siciliano e o azedinho da fruta combina lindamente com a doçura do chocolate branco. Os limões foram caros, sim, mas cada centavo gasto neles valeu a pena para criar algo tão saboroso (sem contar facílimo de fazer): as blondies desapareceram em cada uma das três vezes em que as preparei.

Falando em limão siciliano, adoro quando vocês, leitores, me dizem que lembram de mim por causa dele. Por isso mesmo, trago hoje esta receita, no dia em que o meu blog completa onze anos de existência: muita coisa mudou de 2006 pra cá – trabalho, pessoas novas na minha vida – porém o meu amor pela cozinha ainda é sólido e o blog continua me trazendo alegria.

Obrigada pela companhia por todos estes anos. xx

Blondies de chocolate branco e limão siciliano
receita minha

- xícara medidora de 240ml

¼ xícara (50g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
2 ½ colheres (sopa) - 35g - de manteiga sem sal, temperatura ambiente
200g de chocolate branco picado, uso dividido
1 ovo grande
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara (105g) de farinha de trigo
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal

Preaqueça o forno a 180°C. Unte levemente com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobras em dois lados opostos, formando “alças”, e unte o papel também.

Em uma tigelinha, misture o açúcar e as raspas de limão e esfregue com as pontas dos dedos até o açúcar aromatizar. Reserve.
Em uma tigela grande, junte o chocolate e a manteiga e leve ao banho-maria (fogo baixo, sem deixar o fundo da tigela tocar a água), mexendo até que derretam. Retire do fogo e deixe esfriar um pouco.
Junte o açúcar e misture com um batedor de arame. Faça o mesmo com o ovo e a baunilha. Com uma espátula de silicone, incorpore gentilmente a farinha, o fermento e o sal, misturando de baixo para cima. Faça o mesmo com os 50g de chocolate restantes.

Espalhe a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por 15-20 minutos ou até que um palito inserido no centro saia com migalhas úmidas. Deixe esfriar completamente na forma, sobre uma gradinha. Corte em quadradinhos para servir.

Rend.: 16 unidades

Wednesday, June 28, 2017

Pide de carne e alho-poró

English version

Beef and leek pide / Pide de carne e alho-poró

Tenho quase certeza de que a primeira vez que vi/ouvi falar de pizza turca foi assistindo a um dos episódios da fantástica série “A Culinária Mediterrânea de Yotam Ottolenghi”, exibida pelo GNT há bastante tempo – o que ele fez de fato era chamado de lahmacun e parecia delicioso servido com uma saladinha fresca.

Passam-se vários meses e dei de cara com uma receita de pide em uma das revistas que assino (acho que na Delicious australiana – não estou bem certa, a cabeça anda pregando peças). A receita parecia similar ao lahmacun do Ottolenghi, porém o formato é de uma barquinha. Decidi pesquisar um pouco mais e acabei fazendo a minha versão da receita.

A primeira vez que fiz a pide foi para um almoço em um sábado preguiçoso e já esperava os elogios do João, pois ele adora esfiha. Entretanto, ele gostou tanto, mas tanto que da segunda vez em diante eu passei a fazer 1 receita e meia – 4 pides não são suficientes para nós dois. :D

Pide de carne e alho-poró
receita minha, inspirada em diversas outras

- xícara medidora de 240ml

Massa:
1 colher (chá) de fermento biológico seco
½ colher (chá) de açúcar cristal
1/3 xícara (80ml) de água morna
¼ xícara (60ml) de leite integral morno
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de trigo comum
¼ xícara (35g) de farinha de trigo integral
½ colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Recheio:
2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
1 alho-poró grande, somente a parte clara (cerca de 120g), em rodelas
2 dentes de alho grandes, amassados e picadinhos
250g de carne bovina moída – gosto de patinho
1 colher (chá) de páprica defumada
2 tomates maduros, sem as sementes, em cubinhos
sal e pimenta do reino moída na hora
1 punhado de folhas de salsinha fresca, picadas

Para pincelar a massa:
1 colher (sopa) de azeite de oliva extra virgem

Comece pela massa: na tigela da batedeira planetária, junte o fermento biológico, o açúcar, a água e o leite, misturando bem com um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Junte as farinhas, o sal e o azeite e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por cerca de 1 hora ou até dobrar de volume.

Enquanto a massa cresce, faça o recheio: aqueça a manteiga em uma panela grande em fogo médio até derreter. Junte o alho-poró e refogue, mexendo algumas vezes, até amaciar, uns 5 minutos. Junte o alho e refogue por 1 minuto ou até perfumar – não deixe queimar o alho para que a receita não fique amarga. Acrescente a carne e refogue, mexendo algumas vezes, até dourar, 5-7 minutos. Junte a páprica, os tomates, tempere com sal e pimenta e cozinhe por mais 3-5 minutos ou até que os tomates desmanchem levemente. Junte salsinha e retire do fogo. Deixe esfriar completamente antes de montar as pides.

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande com papel alumínio.
Divida a massa em 4 porções iguais. Abra cada uma delas com um rolo, formando uma espécie de barquinha ovalada de aproximadamente 25cm de comprimento. Espalhe o recheio pelo meio da massa e então aperte as pontas da massa, finalizando o formato de barquinha – o recheio fica exposto mesmo. Transfira para a assadeira preparada, pincele a massa com o azeite de oliva restante e asse por 25-30 minutos ou até dourar. Sirva imediatamente.

Rend.: 4 unidades

Friday, June 23, 2017

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala e a razão de gostarmos de certas coisas

English version

Baked figs with streusel topping and Marsala whipped cream / Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala

Vocês já pararam para pensar na razão pela qual gostam de determinadas coisas?

Outro dia eu estava fazendo o almoço e ouvindo música quando “Rosanna”, do Toto, começou a tocar. Meu marido comentou: “não sabia que você gostava de Toto”, e eu respondi: “gosto desta música, porque tive uma professora de inglês chamada Rosana que a adorava justamente por causa do nome”. Foi uma das melhores professoras que tive e além disso eu a achava lindíssima: ruiva, ela tinha o rosto e os braços cobertos de sardas – foi ali, aos 15 anos, que eu finalmente comecei a gostar das minhas próprias sardas, já que até aquele momento eu me sentia esquisita e deslocada com elas: ninguém mais na família, na escola ou na minha rua as tinha, somente eu.

Hoje se fala tanto sobre representatividade, né? Vinte e três anos atrás, sem nem perceber, minha professora Rosana, a professora ruiva do CCAA da Av. Dr. Gentil de Moura, no Ipiranga, foi quem me fez parar de cobrir os braços com mangas longas mesmo em dias de extremo calor; foi ela quem me fez parar com a bobagem de esfregar o rosto com a água da lavagem do arroz para apagar as sardas. Eu ouço “Rosanna” por causa dela e sinto uma alegria imensa.

Já os figos... Gosto deles por tê-los provado pela primeira vez na casa da minha madrinha, lá pelos 7-8 anos de idade. O cheiro da fruta me leva imediatamente de volta aos dias que passei em sua casa – figos e chá de hortelã: impossível não pensar na minha madrinha com tais cheiros e sabores. Ela morreu há bastante tempo, porém tenho muitos momentos gostosos para revisitar.

Minha madrinha Yolanda era uma mulher sofisticada e viajara o mundo, então tenho certeza de que ela adoraria esta sobremesa: os figos se transformam em uma espécie de geleia cremosa dentro do forno e o chantilly de Marsala complementa o sabor da fruta lindamente. Apenas acho que a casca dos figos não se beneficia do calor, por isso sugiro comer a polpa com a cobertura de farofinha usando uma colher e considerar a casca apenas uma “tigelinha” para toda a deliciosidade da sobremesa. :)

Figos assados com cobertura de farofinha e chantilly de Marsala
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Para os figos:
6 figos pequenos
½ xícara (70g) de farinha de trigo
3 colheres (sopa) de açúcar demerara
3 colheres (sopa) - 42g - de manteiga sem sal, gelada e picada
¼ colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal

Chantilly de Marsala:
½ xícara (120ml) de creme de leite fresco, gelado
1 colher (sopa) de açúcar cristal
1 colher (chá) de vinho Marsala

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira pequena e rasa com papel alumínio.

Em uma tigelinha junte a farinha, o açúcar, o sal e a canela. Junte a manteiga e esfregue com as pontas dos dedos até obter uma farofinha grossa.
Corte os figos ao meio no sentido do comprimento e arrume-os na assadeira preparada, com o lado cortado virado para cima. Distribua a farofinha entre os figos, apertando levemente com os dedos para que ela grude nas frutas e não caia na assadeira durante o tempo de forno. Asse por 20-25 minutos ou até a farofinha dourar.

Enquanto isso, junte o creme de leite, o açúcar e o Marsala em uma tigela pequena e bata com um batedor de arame até obter picos suaves. Sirva os figos ainda quentes com o creme batido.

Rend.: 4 porções

Wednesday, June 21, 2017

Financiers de centeio e amora e pirando com ingredienes

English version

Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Sei que muita gente de-tes-ta ir ao supermercado, mas confesso que acho pra lá de divertido (podem me chamar de louca, não tem problema). :)

Meu marido acha engraçado o quão animada eu fico com uma fruta bonita ou um produto novo – semanas atrás vi uma geleia de limão siciliano na prateleira e mandei um “OLHA ESSA GELEIA!!” pra ele, lá na outra ponta do corredor – ainda bem que ele me conhece bem e não liga de ser encarado por estranhos. :)

Outro momento “discreto” aconteceu alguns meses atrás, quando vi no sacolão essas amoras pequetiticas – tão bonitinhas, tive que trazê-las para casa. Minha ideia era comê-las com iogurte no café da manhã, porém as danadas estavam azedas demais, mesmo para mim. Então metade virou um crumble e a outra metade adicionei a estes financiers, e neles troquei a farinha de trigo pela de centeio fina (da qual falei neste post). Foi uma combinação incrível de sabores e fiquei bem feliz com o resultado – sem contar que os financiers ficaram uma fofurinha de tão lindos. <3


Blackberry rye financiers / Financiers de centeio e amora

Financiers de centeio e amora
receita minha

¾ xícara (75g) de farinha de amêndoa
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de centeio fina (a mesma deste post)
½ xícara (70g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
1/8 colher (chá) de canela em pó
1 pitada de sal
3 claras (84g)
1/3 xícara (75g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 colheres (chá) de Amaretto
½ colher (chá) de extrato de baunilha
¾ xícara (90g) de amoras pequenas

Em uma tigela média, misture com um batedor de arame a farinha de amêndoa, a de centeio, o açúcar, a canela e o sal. Junte as claras e misture. Acrescente a manteiga, o Amaretto e a baunilha e misture até obter uma massa homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 1 hora.

Preaqueça o forno a 200°C. Unte com manteiga 8 forminhas com capacidade para 100ml cada.
Divida a massa entre as forminhas e cubra com as amoras. Asse por cerca de 15 minutos ou até que os financiers cresçam e dourem. Deixe esfriar nas forminhas sobre uma gradinha por 5 minutos. Desenforme com cuidado e transfira para a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 8 porções



Wednesday, June 14, 2017

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

English version

Pear lemon muffins with almond streusel / Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa

Muitas das vezes em que cozinho começo com uma ideia específica, uma vontade grande naquele momento ou algo que vi em algum lugar. Entretanto, há vezes em que abro a geladeira ou o armário e decido o que fazer ali na hora, dependendo do que vejo.

Os muffins que lhes trago hoje surgiram quando eu estava pegando algumas hortaliças na geladeira para fazer o almoço: olhei para o lado e vi um punhado de peras. Meu marido trouxera uns limões sicilianos lindos do mercado, então decidi combinar as duas frutas. E a ideia da farofinha de amêndoa me veio à mente porque alguns dias antes eu havia feito um crumble de frutas com amêndoa.

O processo de criação desta receita pode ter sido bem simples, até mesmo bobo – uma espiada de geladeira, umas frutas na fruteira – mas os muffins são tudo menos isso: deliciosos, macios e perfumados.

Muffins de limão siciliano e pera com farofinha de amêndoa
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Farofinha:
2 ½ colheres (sopa) - 25g - de farinha de trigo
¼ xícara (25g) de farinha de amêndoa
1/3 xícara (65g) de açúcar demerara
1 pitada de sal
2 colheres (sopa) - 28g - de manteiga sem sal, derretida e fria
¼ xícara (25g) de amêndoas em lâminas

Muffins:
½ xícara (100g) de açúcar cristal
raspas da casca de 2 limões sicilianos
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
2 colheres (chá) de fermento em pó
1 pitada de noz-moscada ralada na hora
1 pitada de sal
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, derretida e fria
2 ovos grandes
¾ xícara (180ml) de leite integral, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
3 peras pequenas (400g no total), descascadas, cabinhos e sementes removidos, cortadas em cubinhos

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma forma de muffins de 12 cavidades com forminhas de papel.

Comece pela farofinha: em uma tigelinha, misture a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o açúcar e o sal. Junte a manteiga e misture com um garfo apenas até que a mistura se torne uma farofinha parecida com areia molhada – não misture demais, ou tudo virará uma pasta. Leve à geladeira enquanto prepara a massa dos muffins.

Muffins: em uma tigela grande, misture o açúcar e as raspas de limão e esfregue com as pontas dos dedos até que o açúcar fique aromatizado. Acrescente a farinha, o fermento, a noz-moscada e o sal e misture com um batedor de arame.
Em uma tigela média, misture a manteiga, os ovos, o leite e a baunilha com um batedor de arame. Despeje sobre os ingredientes secos e misture levemente com um garfo, sem misturar demais para que os muffins não fiquem duros – massa de muffin não é lisa como massa de bolo. Incorpore os pedacinhos de pera rapidamente.
Divida a massa entre as forminhas de papel. Cubra com a farofinha, apertando levemente com as mãos para que ela grude na massa.

Asse por cerca de 20 minutos ou até que os muffins cresçam e dourem – faça o teste do palito. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado, transferindo os muffins para a gradinha.

Rend.: 12 unidades

Friday, June 09, 2017

Pão macio de centeio com rillette de sardinha e mais lembranças da infância

English version

Soft rye bread with sardine rillette / Pão de centeio macio com rillette de sardinha

Muitos e muitos meses atrás, quando eu ainda estava com os planos do livro, li sobre rillettes e achei bem interessantes – conforme fui vendo receitas de rillette de carne de porco, pensei logo em minha mãe e em seu amor por este tipo de carne, coisa que sempre ligo ao sangue alemão (eu e meu trauma eterno de todas aquelas salsichas estranhas e joelhos de porco cheios de gordura dos quais eu não chegava nem perto nas férias da infância) :)

Conforme fui pensando no quanto ela amaria este tipo rústico de patê, me veio à mente também o seu patê de sardinha, comida barata das épocas de vacas magras – com a tão conhecida torta de liquidificador, era o fim dado a tantas latas de sardinha que vinham na cesta do meu pai, à época metalúrgico. Foram muitos sanduichinhos de patê de sardinha na lancheira – os meus sempre sem as cascas – junto com os bolos de cenoura. :)

Tudo isso acima misturado na minha cabeça me deu a ideia de fazer rillette com sardinhas em lata em vez da carne de porco e uma pesquisada pela Internet afora me mostrou variações do prato feitas com salmão, então eu soube que estava no caminho certo. Acabei fazendo este rillette de sardinha inúmeras vezes, já que eu e o marido ficamos loucos pelo patezinho.

Lá pela terceira vez, se não me falha a memória, achei que o rillette merecia ser acompanhado de um pãozinho caseiro e achei que o sabor forte do centeio combinaria bem com o patê – João concordou, porém me pediu um pão macio, para comermos no café da manhã do dia seguinte. Fiz este que lhes trago hoje, macio com a adição de leite à massa, mas ainda assim saboroso. O problema foi que no final das contas comemos TODO O PÃO com o rillette e não sobrou nada para o café da manhã. :)

Pão macio de centeio
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Pão:
150ml de leite integral morno
200ml de água morna
2 colheres (chá) de fermento biológico seco
1 colher (chá) de açúcar cristal
½ colher (sopa) de mel
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
1 ¼ xícaras (175g) de farinha de centeio
1 ½ colheres (chá) de sal

Para pincelar o pão:
1 colher (sopa) de leite integral, temperatura ambiente

Na tigela da batedeira planetária, misture o leite, a água, o fermento biológico e o açúcar usando um garfo. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Acrescente o mel, as farinhas e o sal e misture usando o batedor para massas pesadas (em formato de gancho no caso da Kitchen Aid) por cerca de 8 minutos ou até obter uma massa lisa e elástica – a massa pode ser sovada com as mãos: neste caso, 12-14 minutos são suficientes. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande levemente untada com óleo ou azeite. Cubra com filme plástico e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 1 ½ horas ou até dobrar de volume.

Unte levemente com azeite ou manteiga uma forma de bolo inglês com capacidade para 6 xícaras de massa.
Dê um soquinho na massa para eliminar o excesso de ar. Transfira a massa para uma superfície levemente polvilhada com farinha e abra-a com um rolo, formando um retângulo de aproximadamente 20x30cm. Começando com um dos lados mais longos, enrole a massa, formando um cilindro (como se estivesse fazendo cinnamon rolls). Aperte as emendas com as pontas dos dedos e transfira o cilindro de massa para a forma preparada, deixando a emenda virada para baixo. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer em um lugar morninho, livre de correntes de ar, por 40-45 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Pincele o topo do pão com o leite e asse por cerca de 30 minutos ou até que cresça e doure bem. Para verificar se o pão está pronto dê batidinhas na superfície com os nós dos dedos: o som deve ser de algo oco. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos e então desenforme com cuidado sobre a gradinha. Deixe esfriar completamente.

Rend.: 6-8 porções

Rillette de sardinha
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem, uso dividido
½ colher (sopa) de manteiga sem sal
½ cebola picadinha
1 talo de salsão em fatias finas – use uma mandolina
1 dente de alho, amassado e picadinho
3 galhinhos de tomilho fresco – apenas as folhas
1 pitada de páprica defumada
sal e pimenta do reino moída na hora
350g de sardinhas em lata, escorridas e em lascas
2 colheres (sopa) de vinho branco seco
2 colheres (sopa) de creme azedo (sour cream)*
2 colheres (sopa) de salsinha fresca e picadinha – pique, depois meça

Em um panela media, junte ½ colher (sopa) do azeite e a manteiga. Leve ao fogo médio até a manteiga derreter. Acrescente a cebola e o salsão e refogue, mexendo às vezes, até que fiquem macios, 3-4 minutos. Junte o alho e refogue somente até perfumar, 1 minuto. Abaixo o fogo e junte o tomilho e a páprica, tempere com sal e pimenta do reino e cozinhe, tampado, por 2 minutos. Junte o vinho, aumente o fogo e cozinhe até o vinho evaporar. Retire do fogo, junte a sardinha e misture bem. Deixe esfriar completamente. Quando esfriar, incorpore o creme azedo, o azeite restante e a salsinha. Prove e acerte o sal, se necessário.

O rillette pode ser guardado em um recipiente hermético na geladeira de um dia para o outro, porém deve ser servido em temperatura ambiente.

* creme azedo (sour cream) caseiro: para preparar 1 xícara de creme azedo, misture 1 xícara (240ml) de creme de leite fresco com 2-3 colheres (chá) de suco de limão ou limão siciliano em uma tigela. Vá mexendo até que comece a engrossar. Cubra com filme plástico e deixe em temperatura ambiente por 1 hora ou até que engrosse um pouco mais (geralmente faço o meu na noite anterior e deixo sobre a pia – com exceção de noites extremamente quentes – coberto com filme plástico; na manhã seguinte o creme fica bem espesso – leve à geladeira para ficar mais espesso ainda)

Rend.: 2 porções

Wednesday, June 07, 2017

Panna cotta de iogurte com gelatina de morango e destruindo clássicos (ou não)

English version

Yogurt panna cotta with strawberry gelatin / Panna cotta de iogurte com gelatina de morango

Toda vez que ouço algo sobre remakes de filmes sinto um aperto no coração – pra que mexer com os clássicos e arruinar o que já é ótimo?

A primeira vez que li que Hollywood pretendia fazer um remake de “Blade Runner” logo pensei: “vão destruir um filme incrível”. Semanas atrás vi o primeiro trailer e achei maravilhoso – não se trata de um remake, e sim de uma continuação (e sabemos que prequels e sequels nem sempre funcionam, né, Sr. Scott?), mas como Denis Villeneuve está dirigindo eu ainda tenho esperanças – “A Chegada” deveria ter levado o Oscar de Melhor Filme em fevereiro, apesar de eu ter amado “Moonlight”. Por enquanto, parece que não estão destruindo um clássico – vamos esperar até outubro para ter certeza.

E falando em clássicos, sei que muita gente torce o nariz para panna cotta feita com iogurte, dizendo que não é panna cotta “de verdade”, mas eu adoro: há, sim, a presença do creme de leite para encorpar, porém em menor quantidade, e o iogurte dá leveza à textura e um azedinho interessante ao sabor – para mim, a combinação é perfeita. Para deixar a panna cotta ainda mais interessante acrescentei uma camada de gelatina de morango – caseira, é claro – e a danada é tão gostosa que pode ser servida sozinha, sem a panna cotta mesmo. Gelatina feita com fruta é simplesmente imbatível.

Yogurt panna cotta with strawberry gelatin / Panna cotta de iogurte com gelatina de morango

Panna cotta de iogurte com gelatina de morango
receita minha

- xícara medidora de 240ml

Panna cotta:
2 colheres (sopa) de água fria
1 ½ colheres (chá) de gelatina incolor em pó
1 xícara (240ml) de creme de leite fresco
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
¾ xícara (195g) de iogurte natural integral, temperatura ambiente
¼ xícara (60ml) de leite integral, temperatura ambiente
2 colheres (chá) de extrato de baunilha
1 pitada de sal

Gelatina de morango:
600g de morangos, sem os cabinhos e cortados ao meio
¼ xícara + 2 colheres (sopa) - 75g - de açúcar cristal
2/3 xícara (160ml) de água fria, uso dividido
2 colheres (chá) de suco de limão
2 colheres (chá) de gelatina incolor em pó

Comece pela panna cotta: separe 6 copos ou potinhos com capacidade para 200ml cada – use copos ou potinhos transparentes para que as duas camadas da sobremesa apareçam.

Coloque a água em um potinho pequeno e salpique com a gelatina. Reserve por 5 minutos para que a gelatina absorva a água. Enquanto isso, em uma panelinha, aqueça o creme de leite e o açúcar em fogo médio, mexendo com um batedor de arame para dissolver o açúcar, até a mistura começar a ferver. Retire do fogo e incorpore o iogurte, o leite, a baunilha e o sal. Junte a gelatina e mexa bem com o batedor para dissolvê-la. Passe a mistura por uma peneira fina e divida-a entre os potinhos. Leve à geladeira por 4 horas ou até firmar.

Agora, a gelatina: em uma panela média, junte os morangos, o açúcar cristal e 1 colher (sopa) da água. Leve ao fogo médio, mexendo algumas vezes, até os morangos ficarem macios e soltarem seus sucos, aproximadamente 10 minutos. Retire do fogo e leve ao liquidificador com ½ xícara (120ml) da água fria e o suco de limão. Bata bem até obter uma mistura homogênea. Passe por uma peneira fina, voltando o líquido para a panela.
Coloque as 2 colheres (sopa) de água fria restantes em um potinho pequeno e salpique com a gelatina. Reserve por 5 minutos para que a gelatina absorva a água.
Volte o suco de morango ao fogo até começar a ferver, desligue e incorpore a gelatina, misturando bem com um batedor de arame para dissolvê-la no suco. Passe novamente pela peneira, deixe esfriar e então despeje com cuidado sobre a panna cotta. Leve à geladeira por mais 4 horas para a gelatina firmar.

A sobremesa dura até dois dias na geladeira, coberta com plástico filme.

Rend.: 6 porções

Tuesday, May 30, 2017

Sopa de chuchu, cenoura e feijão branco

English version

Chayote, carrot and white bean soup / Sopa de chuchu, cenoura e feijão branco

Há alguns dias eu estava vendo um clipe sobre o último Berlinale e nele alguns diretores e atores eram entrevistados, incluindo o elenco de “Z: A Cidade Perdida”.

Foi um festival de gritos – MUITOS gritos – quando Robert Pattinson apareceu no tapete vermelho do festival e eu estou até agora tentando entender o porquê de tanta gritaria por ele quando Charlie Hunnam estava ali, pertinho, no mesmo evento. :)

Acabei lembrando desta sopinha com chuchu que fiz tempos atrás – são raras as vezes em que cozinho com chuchu, tão sem graça o coitado, praticamente o Robert Pattinson do mundo dos vegetais, mas na sopa ele até que funcionou direitinho, combinado com outros legumes. Juntei feijão branco à sopa para dar uma “sustância” a mais e ficou perfeita para as noites mais frias – as sobras ficam bem na geladeira, em recipiente hermético, por até dois dias.

Sopa de chuchu, cenoura e feijão branco
receita minha

- xícara medidora de 240ml

2 colheres (sopa) de manteiga sem sal
½ colher (sopa) de azeite de oliva
1 talo de salsão picadinho
1 alho poró em rodelas finas
½ cebola grande, picadinha
2 dentes de alho, picadinhos
1 tomate maduro, sem as sementes, em cubinhos
1 colher (sopa) de extrato de tomate
1 chuchu, descascado e cortado em cubos - descasque-o em água corrente para eliminar o excesso de "baba"
2 cenouras, descascada e cortadas em cubos
1 batata, descascada e cortada em cubos
sal e pimenta do reino moída na hora
4 xícaras (960ml) de caldo de legumes caseiro quente
2 xícaras (480ml) de água quente
2 folhas de louro
2 galhinhos de tomilho
1 ½ xícaras (250g) de feijão branco já cozido

Em uma panela grande e alta, aqueça a manteiga e o azeite juntos em fogo médio-alto. Junte o salsão, o alho poró e a cebola e refogue, mexendo ocasionalmente para não grudar no fundo da panela, até que os legumes estejam macios. Junte o alho e refogue por 1 minuto, até perfumar. Acrescente o tomate e refogue até que comece a desmanchar, uns 2 minutos. Junte o extrato de tomate, refogue por 1 minuto, e então acrescente o chuchu, a cenoura e a batata. Refogue por 3-4 minutos, tempere com sal e pimenta e junte o caldo e a água. Acrescente o louro e o tomilho. Assim que começar a ferver cubra parcialmente a panela, abaixe o fogo e cozinhe por 30-40 minutos ou até que os legumes estejam macios.

Desligue o fogo, remova o louro e o galhinho de tomilho e bata ligeiramente a sopa com um mixer ou use o liquidificador – não bata demais para que fiquem alguns pedacinhos de legumes na sopa. Junte o feijão branco à sopa e volte-a ao fogo somente para aquecer o feijão.

Rend.: 6 porções



Saturday, May 27, 2017

Waffles de cenoura com calda de chocolate - para quem quer bolo, mas tem pressa

English version

Brazilian carrot cake waffles with chocolate glaze / Waffles de cenoura com calda de chocolate

Uma das minhas memórias de infância mais queridas é a imagem da minha mãe na cozinha preparando bolos – ela era uma cozinheira incrível e também bastante famosa por seus doces.
Os dois bolos dos quais mais me lembro são o de chocolate e o de cenoura – quantas vezes os levei na lancheira da escola! Quantas tigelas de massa de bolo raspadas com a colher de pau! :)

Dia desses me peguei pensando no bolo de cenoura da minha mãe, mas não daria tempo de prepará-lo. Como eu queria satisfação instantânea decidi dar uma adaptada na receita e transformei o bolo em waffles – ficaram muito bons!

Desde então tenho feito estes waffles de vez em quando, pois ficam prontos em pouco tempo e não dão trabalho nenhum – satisfação instantânea com uma pitadinha de saudade.

Waffles de cenoura com calda de chocolate
criação minha, inspirada no bolo de cenoura da minha mãe

- xícara medidora de 240ml

Waffles:
2 cenouras pequenas (200g), descascadas e picadas
2 ovos
½ xícara (100g) de açúcar cristal
1/3 xícara (80ml) de óleo de canola
1 xícara (140g) de farinha de trigo
½ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal

Calda de chocolate:
1/3 xícara (30g) de cacau em pó, sem adição de açúcar
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
2 colheres (sopa) – 28g – de manteiga sem sal
¼ xícara (60ml) de leite integral

Waffles: leve as cenouras, os ovos, o açúcar e o óleo ao liquidificador e bata até obter uma mistura homogênea. Transfira para uma tigela e incorpore a farinha, o fermento e o sal, mexendo com um batedor de arame até obter uma massa lisa, com jeitão de massa de bolo.

Aqueça a máquina de waffle e pincele levemente com manteiga – se a máquina for antiaderente, não é necessário. Derrame aproximadamente 1/3 de xícara de massa por waffle, feche a máquina e cozinhe até dourar e firmar. Transfira-os para uma gradinha dentro de uma assadeira e deixe no forno baixinho para que os waffles não esfriem – a gradinha faz o ar circular por todos os lados, evitando que os waffles fiquem úmidos.

Calda: misture todos os ingredientes em uma panelinha e cozinhe em fogo alto, mexendo sempre com um batedor de arame, até que comece a ferver. Cozinhe por mais 2-3 minutos, mexendo, até engrossar levemente. Retire do fogo, reserve por 5 minutos e então sirva sobre os waffles.

Rend.: cerca de 6 porções

Thursday, May 25, 2017

Granola de chocolate para deixar o café da manhã ainda mais gostoso

English version

Chocolate granola / Granola de chocolate

Sei que para quem adora cozinhar preparar tudo em casa não é problema nenhum e nem se trata de um fardo – é, na verdade, uma diversão – entretanto, mesmo para quem não é muito chegado às panelas recomendo fazer sua própria granola: a diferença na qualidade é gritante, você tem controle total sobre os ingredientes (especialmente o açúcar) e pode variar os sabores como quiser, criando deliciosos e diferentes tipos de granola.

Faço esta granola de chocolate há alguns anos e é muito saborosa, além de fácil de fazer – é minha granola favorita, a mais gostosa que já provei. O único desafio é NÃO comê-la to-di-nha enquanto esfria – estejam avisados. :)

Granola de chocolate
receita minha, inspirada por diversas outras que vi online

- xícara medidora de 240ml

400g de aveia do tipo prensada ou em flocos grossos
100g de coco em flocos adoçados
50g de avelãs ou amêndoas em lâminas
¼ colher (chá) de canela em pó
1/8 colher (chá) de sal
½ xícara (45g) de cacau em pó, sem adição de açúcar
1/3 xícara de azeite de oliva extra virgem
3 colheres (sopa) de açúcar mascavo claro – aperte-o na colher na hora de medir
1/3 xícara de agave ou mel – neste caso prefiro usar o agave, pois o sabor é mais sutil, deixando o sabor do chocolate brilhar
½ colher (chá) de extrato de baunilha
50g de chocolate amargo (70% de cacau), picado bem fininho

Preaqueça o forno a 180°C. Forre uma assadeira grande e rasa com papel alumínio.

Em uma tigela grande, misture bem a aveia, o coco, as avelãs/amêndoas, a canela e o sal. Reserve.
Em uma panelinha, junte o cacau, o azeite, o açúcar e o agave (ou mel) e misture em fogo médio até que a mistura derreta e o açúcar se dissolva. Retire do fogo e junte a baunilha.
Despeje sobre os ingredientes secos e misture bem, envolvendo tudo com a mistura de cacau. Espalhe por toda a forma preparada formando uma camada homogênea e leve ao forno por 15 minutos. Retire, remexa toda a granola com uma espátula de silicone (para não rasgar o papel alumínio), espalhe novamente em uma camada homogênea e volte ao forno por mais 15 minutos – a granola sai do forno ainda molinha e vai ficando crocante conforme esfria.
Retire do forno e salpique toda a granola com o chocolate picado. Aguarde 1 minuto para que ele derreta e então misture bem. Deixe esfriar completamente e guarde em um vidro hermético em temperatura ambiente por até 2 semanas.

Rend.: 8-10 porções

Friday, May 12, 2017

Risoto de brócolis e gorgonzola

English version

Broccolini and gorgonzola risotto / Risoto de brócolis e gorgonzola

Quando eu estava escolhendo e editando a foto do post de hoje fiquei pensando em quando e como me tornei fã de risotos e... Não consegui me lembrar. Não lembro qual foi o primeiro risoto que comi, nem de que sabor era, muito menos de quando fiz risoto em casa pela primeira vez.

Minha memória afetiva é bastante ligada às minhas comidas favoritas, mas não desta vez – não lembro de jeito nenhum. Pode ser que isso acabe acontecendo e o melhor jeito de exercitar meu cérebro é fazendo muitos risotos, certo? ;)

O risoto que lhes trago hoje combina brócolis e gorgonzola e fica uma delícia – perfeito para as noites mais fresquinhas que temos tido aqui em São Paulo.

Risoto de brócolis e gorgonzola
receita minha

- xícara medidora de 240ml

4 colheres (sopa) - 56g - de manteiga sem sal, uso dividido
1 colher (sopa) de azeite de oliva
1 cebola pequena picadinha
sal
1 ½ xícaras (330g) de arroz arbóreo ou carnaroli
½ xícara (120ml) de vinho branco seco
200g de floretes de brócolis do tipo comum
5 xícaras (1,2l) de caldo de legumes caseiro, fervente
pimenta do reino moída na hora
150g de gorgonzola ralado grosseiramente ou esmigalhado se for macio

Em uma panela grande, aqueça metade da manteiga – 2 colheres (sopa) – e o azeite. Assim que a manteiga derreter, acrescente a cebola e salpique com um pouquinho de sal. Refogue, mexendo ocasionalmente, até a cebola ficar transparente. Junte o arroz e refogue por 2-3 minutos, mexendo, até que todos os grãos fiquem cobertos de manteiga/azeite. Junte o vinho e refogue até que evapore. Acrescente os floretes de brócolis, seguidos de 1 concha de caldo quente, e vá mexendo até que o caldo quase seque. Acrescente outra concha de caldo e vá mexendo novamente até que ele quase seque – vá repetindo o processo até que o arroz fique al dente, o que vai levar cerca de 20 minutos (talvez você não use todo o caldo). Os floretes de brócolis vão se desmanchando aos poucos, deixando o arroz “sardentinho” de verde – delícia! Tempere com sal e pimenta – não exagere no sal, pois o gorgonzola é salgado.

Quando o arroz estiver al dente, acrescente o gorgonzola e o restante da manteiga e misture. Prove e acerte o sal se necessário, tampe a panela, aguarde 2 minutos e então sirva.

Rend.: 4 porções

Monday, May 08, 2017

Crumble de ameixa e amêndoa e o final de "Girls"

English version

Plum and almond crumble / Crumble de ameixa e amêndoa

Depois que eu maratonei “Girls” em um final de semana de gripe ano passado não consegui evitar: continuei vendo o seriado, mesmo a Hannah me irritando profundamente na maioria das vezes – havia horas em que eu tinha a impressão de que os roteiristas estavam tentando criar a personagem mais estúpida do mundo dos seriados.

Em compensação, Elijah e Ray eram os meus personagens favoritos. :)

Foi assim que vi todas as temporadas, até a última, e no final senti que o episódio final mesmo foi o 9: foram várias cenas bonitas e senti que a história das meninas poderia ter terminado ali. Sendo justa, achei que a temporada final foi muito melhor do que as anteriores – e me emocionou bem mais, também.

Sempre faço crumbles para acompanhar meus seriados de TV queridos, e desta vez fiz novamente um crumble de ameixa e amêndoa que fizera na época de testes para o livro, quando encontrara pela última vez ameixas bonitonas no mercado. Ameixas e amêndoas combinam perfeitamente e aqui ficaram deliciosas juntas. Com o crumble nas mãos e um cobertor fofinho eu estava mais do que pronta para o final de “Girls” – e apesar de nunca ter sido uma fã fervorosa de Hannah e das meninas confesso que derramei algumas lágrimas no episódio final.

Plum and almond crumble / Crumble de ameixa e amêndoa

Plum and almond crumble / Crumble de ameixa e amêndoa

Crumble de ameixa e amêndoa
receita minha

1/3 xícara (46g) de farinha de trigo
2/3 xícara (66g) de farinha de amêndoa
¼ colher (chá) de fermento em pó
1 pitada de sal
¼ xícara (50g) de açúcar demerara
4 colheres (sopa) – 42g – de manteiga sem sal, gelada e em cubinhos
1/3 xícara de amêndoas em lascas
4 ameixas grandes
2 colheres (sopa) de açúcar cristal – se as ameixas estiverem doces, não use

Preaqueça o forno a 180°C. Separe 4 potinhos refratários com capacidade para 1 xícara (240ml) cada – se preferir, use um refratário raso grande, com capacidade para 1 litro.

Prepare a cobertura: em uma tigela média, misture com um garfo a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o fermento em pó, o sal e o açúcar demerara. Junte a manteiga e misture com as pontas dos dedos, esfregando os ingredientes juntos até obter uma farofa grossa. Acrescente as amêndoas em lascas e misture com o garfo – não misture em excesso para não desmanchar os gruminhos da cobertura. Leve ao freezer por 5 minutos enquanto você prepara as ameixas.

Corte as ameixas ao meio no sentido do comprimento e remova as sementes. Corte cada metade em fatias de aproximadamente 0,5cm. Transfira para uma tigela média, junte as 2 colheres (sopa) de açúcar cristal e misture. Divida as ameixas entre os potinhos e cubra com o crumble. Leve ao forno por 25-30 minutos ou até a cobertura dourar bem.

Sirva com creme de leite fresco batido ou sorvete.

Rend.: 4 porções

Friday, May 05, 2017

O meu bolonhesa, a pedido do marido

English version

My Bolognese sauce / O meu bolonhesa

Este blog nasceu em 2006 (às vezes nem acredito que ainda estou por aqui, para ser sincera) e há anos pessoas me escrevem para me contar que aprenderam a cozinhar comigo – toda vez que leio os e-mails sinto uma alegria imensa, pois sei o quão libertador aprender a cozinhar pode ser: foi para mim.

Então aqui estamos, quase onze anos depois, e desta vez a “revolução” está acontecendo na minha casa: meu marido tem se aventurado na cozinha. :) Tudo começou com sanduíches, depois vieram as sopas e as saladas (muito gostosas, por sinal), e semana passada ele tentou fazer um dos nossos pratos favoritos: macarrão à bolonhesa. Cheguei em casa exausta depois de um dia de trabalho puxado e senti um cheirinho maravilhoso quando a porta do elevador se abriu – por um momento pensei que o cheiro pudesse estar saindo do apartamento ao lado, mas os meus vizinhos, além de serem pessoas barulhentas e grosseiras, não fazem comida cheirosa assim. :)

Para minha surpresa, o perfume vinha do meu apartamento e quando entrei dei de cara com meu marido sorrindo para mim: “surpresa! Fiz o teu molho bolonhesa!” – eu o ajudei a cozinhar o linguine e tivemos um jantar delicioso.

Ele então me contou que ficou meio confuso durante o preparo do jantar e que havia procurado a receita no blog para se certificar de que não estava esquecendo nenhum passo – “não encontrei a receita no TK”, disse ele, e eu respondi que não tinha mesmo publicado. “Já passou da hora, hein?”, retrucou o marido, pois então hoje eu lhes trago o meu molho bolonhesa – e nós o chamamos assim, pois sei que não é a receita mais autêntica que há, mas é a que faço há anos e a que meu marido tanto ama. Nem sempre tenho cenouras e/ou salsão na geladeira para o sofrito, então cebola e alho são os aromáticos que uso; além disso, dificilmente tenho 3 horas sobrando para esperar o molho apurar, por isso o meu molhinho fica pronto em meia hora, mais ou menos. Espero que vocês experimentem e depois me contem o que acharam.

O meu molho bolonhesa
receita minha

- xícara medidora de 240ml

1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola grande, picadinha
3 dentes de alho grandes, amassados e bem picadinhos
250g de carne moída
sal e pimenta do reino moída na hora
¼ xícara (60ml) de vinho tinto seco
1 colher (sopa) de extrato de tomate
1 lata de 400g de tomates pelados
1 colher (sopa) de açúcar cristal
2 folhas de louro
5 raminhos de tomilho fresco
1 punhado de folhas de manjericão fresco ou orégano fresco
300g de linguine

Em uma panela média, aqueça o azeite em fogo médio-alto. Junte a cebola e refogue até ficar transparente, 4-5 minutos, mexendo algumas vezes para não queimar. Junte o alho e refogue somente até perfume, 1-2 minutos – não deixe o alho queimar ou ficará amargo. Junte a carne moída e quebre-a com a colher de pau, para soltar bem os pedacinhos uns dos outros. Vá dourando a carne, mexendo algumas vezes. Tempere com sal e pimenta do reino. Acrescente o vinho e então cozinhe por 2-3 minutos ou até que evapore – ao adicioná-lo, raspe bem os queimadinhos do fundo da panela, pois eles dão mais sabor ao molho.

Junte o extrato de tomate e cozinhe por 1 minuto. Acrescente os tomates pelados e amasse-os com um amassador de batata. Encha a lata dos tomates com água até ¾ da capacidade, dê uma mexidinha para raspar todos os restinhos de tomate e acrescente a água ao molho. Tempere novamente com sal e pimenta, junte o açúcar, as folhas de louro e os raminhos de tomilho e cozinhe em fogo baixo, mexendo algumas vezes para que não grude no fundo da panela, por cerca de 30 minutos ou até que o molho encorpe. Junte o manjericão/orégano, misture, desligue o fogo e tampe.

Cozinhe o linguine em uma panela grande com água salgada até ficar al dente. Escorra, junte ao molho e sirva imediatamente.

Rend.: 3 porções


Thursday, April 13, 2017

Clafoutis de chocolate e banana para comemorar a Páscoa

English version

Banana and chocolate clafoutis / Clafoutis de banana e chocolate

Faltam poucos dias para a Páscoa e para comemorá-la lhes trago hoje uma sobremesa deliciosa que criei meses atrás, então para o livro – eu amo, amo, amo clafoutis e queria dar um toque tropical à sobremesa francesa. Pensei em maracujá e chocolate branco – é uma combinação de sabores deliciosa –, mas como a polpa é muito úmida não daria certo. Então troquei o maracujá pela banana – tropical do mesmo jeito – e o chocolate branco pelo meio-amargo, para evitar que a sobremesa ficasse doce demais.

Ficou uma delícia! Já repeti a receita muitas outras vezes desde então, pois é fácil de fazer, eu geralmente tenho bananas em casa e o resultado é ótimo.

Deixo aqui o clafoutis e o meu desejo de uma Páscoa maravilhosa a todos. xx

Clafoutis de chocolate e banana
criação minha

2 ovos grandes
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
1 colher (chá) de extrato de baunilha
2 colheres (sopa) de farinha de trigo
1 colher (sopa) de cacau em pó, sem adição de açúcar
1 pitada de canela em pó
1 pitada de sal
¼ xícara (60ml) de leite integral, temperatura ambiente
¼ xícara (60ml) de creme de leite fresco
2 bananas (aprox. 250g no total), em rodelas
¼ xícara (42g) de gotas de chocolate meio amargo – usei um com 53% de cacau
1 colher (sopa) de açúcar demerara

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga um refratário raso com capacidade para 1 litro – o da foto tem 20cm de diâmetro e 3,5cm de altura.

Em uma tigela média, misture os ovos, o açúcar cristal e a baunilha com um batedor de arame até obter um creme homogêneo. Junte a farinha, o cacau, a canela e o sal e misture bem até que não haja nenhum grumo. Incorpore o leite e o creme de leite – a mistura deve ser lisa. Despeje no refratário preparado. Espalhe as fatias de banana e o chocolate sobre a massa e salpique tudo com o açúcar demerara.

Leve ao forno por 25-30 minutos ou até que a mistura infle, firme ligeiramente e uma crosta se forme. Retire do forno e sirva imediatamente.

Rend.: 4-5 porções

Thursday, April 06, 2017

Biscoitos de laranja, centeio e noz-moscada

English version

Orange, rye and nutmeg slice and bake cookies / Biscoitos de laranja, centeio e noz-moscada

O post de hoje é sobre o quanto eu adoro a Internet e é provavelmente a décima quinta vez que lhes digo isso. :)

Tempos atrás eu estava testando receitas usando farinha de centeio, mas não estava satisfeita com os resultados: os pães ficaram gostosos, mas a textura dos biscoitos, bolos e muffins não estava tão leve quanto eu gostaria – a farinha era grossa demais. Acabei decidindo deixar as receitas com farinha de centeio de lado.

Meses depois, quando estava passeando pelo Instagram da Lis Cereja – um dos meus preferidos – vi que ela comprava farinha espelta online. Na mesma loja encontrei uma farinha de centeio classificada como “fina” e resolvi experimentar. Comprei e retestei todas as receitas encostadas e os resultados foram incríveis!

Uma das receitas que testei foram estes biscoitos: práticos no preparo, perfumados de laranja e noz-moscada – deliciosos! A farinha de centeio lhes dá uma cor dourada e um sabor amendoado bem interessante.

Biscoitos de laranja, centeio e noz-moscada
adaptados da receita da Deb

- xícara medidora de 240ml

1 ½ xícaras (210g) de farinha de trigo
½ xícara (70g) de farinha de centeio fina – comprei online aqui
½ colher (chá) de noz-moscada ralada na hora
1 pitada de sal
2/3 xícara (93g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire
raspas da casca de 2 laranjas
200g de manteiga sem sal, temperatura ambiente
2 gemas, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha

Em uma tigela media, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de centeio, a noz-moscada e o sal. Reserve.

Na tigela da batedeira, junte o açúcar de confeiteiro e as raspas de laranja, misturando-os bem até que o açúcar fique aromatizado. Junte a manteiga e bata com a batedeira até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela algumas vezes durante todo o preparo da receita. Junte as gemas, uma a uma, batendo bem. Junte a baunilha. Em velocidade baixa, incorpore os ingredientes secos batendo somente até que uma massa se forme – não bata em excesso.

Divida a massa em duas partes iguais e coloque cada metade em um pedaço grande de papel manteiga; forme um cilindro de aproximadamente 3,5cm de diâmetro com a massa, fechando-a dentro do papel manteiga usando uma régua – como a Martha faz aqui. Feche as pontas e leve à geladeira até firmar bem, cerca de 4 horas ou de um dia para o outro.

Pré-aqueça o forno a 180°C; forre duas assadeiras grandes com papel manteiga. Desembrulhe um dos cilindros de massa (mantenha o outro na geladeira). Corte em fatias de 5mm e coloque-as nas assadeiras preparadas deixando um espaço de 2,5cm entre uma e outra. Asse por 12-14 minutos ou até que os biscoitos dourem nas extremidades. Deixe esfriar nas assadeiras sobre gradinhas por 5 minutos e então deslize o papel com os biscoitos para a gradinha e deixe esfriar completamente. Repita o processo com o outro cilindro de massa.

Rend.: cerca de 50 unidades

Thursday, March 30, 2017

Brownies com castanha de caju para mais uma Páscoa econômica

English version

Chocolate cashew brownies / Brownies com castanha de caju

Junto com pagar contas e levantar cedo para ir ao trabalho, nada faz com que eu me sinta adulta como perceber que o tempo voa mesmo – e dizer isso em voz alta praticamente me transforma na minha avó. :D

Dias atrás estava pensando na Páscoa e no que faria para comemorá-la este ano quando me lembrei destes biscoitos – quando procurei a receita no blog levei um susto, pois o post é de dois anos atrás!
Li o post e bem, continuo me recusando a gastar uma fortuna com ovos de Páscoa – então além de mais velha também estou mais pão-dura. :D

Brownies são sucesso com todo mundo que conheço, sem contar o quão fáceis de fazer são: de uma forma quadrada de 20cm dá pra conseguir 16 brownies e embrulhando-os de maneira bem bonita 3 ou 4 lembrancinhas já estão garantidas. Usei castanha de caju, pois queria que os meus brownies tivessem um toque brasileiro, mas você pode usar as oleaginosas de que mais gostar.

Brownies com castanha de caju
criação minha

- xícara medidora de 240ml

½ xícara (113g) de manteiga sem sal, amolecida e picada
100g de chocolate meio amargo, picadinho – usei um com 53% de cacau
¾ xícara (130g) de açúcar mascavo claro – aperte-o na xícara na hora de medir
1/3 xícara (67g) de açúcar cristal
2 ovos grandes, temperatura ambiente
1 colher (chá) de extrato de baunilha
1 xícara (140g) de farinha de trigo
1/8 colher (chá) de sal
¾ xícara (105g) de castanhas de caju sem sal, tostadas e frias

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga uma forma quadrada de 20cm, forre-a com papel alumínio deixando sobrar um pouco em dois lados opostos, formando “alças” que depois vão lhe ajudar a desenformar os brownies. Unte o papel também.

Em uma panela grande, junte a manteiga e o chocolate e leve ao fogo baixinho, mexendo sempre, até que os ingredientes derretam. Retire do fogo e deixe esfriar um pouco. Com um batedor de arame, incorpore os dois açúcares. Faça o mesmo com os ovos, um por um, mexendo até obter uma massa homogênea. Com uma espátula de silicone, misture a baunilha, a farinha e o sal, mexendo somente até incorporar. Incorpore as castanhas de caju.

Espalhe a massa na forma preparada e alise a superfície. Asse por cerca de 20 minutos ou até o brownie firmar na superfície – faça o teste do palito: ele deve sair com migalhas bem úmidas. Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha. Corte em quadrados para servir.

Rend.: 16 unidades

Tuesday, March 28, 2017

Frango assado marinado em maionese

English version

Mayo marinated roast chicken / Frango assado marinado em maionese

Já lhes contei que sou bastante visual e que fotos bonitas de comida me pegam de jeito instantaneamente, e uns tempos atrás descobri que meu marido é igualzinho. :)
Agora, toda vez que encontro uma receita gostosa em uma revista ou livro já mostro logo a foto para ele – isso facilitou demais a minha vida. :)

Estava lendo a revista Bon Appétit outro dia e vi uma foto de frango assado bem dourado – chamou a minha atenção na hora. Quando li que a marinada era à base de maionese fiquei ainda mais curiosa com a receita, então levantei o tablet e disse para o João (talvez eu tenha gritado, não lembro bem): “OLHA esse franguinho!”, e ele respondeu: “faz para o almoço no final de semana, por favor?” :D

Então em questão de segundos o cardápio estava decidido e eu ainda aprendi que marinar frango em maionese deixa a carne extremamente macia, soltando do osso, e também dá uma cor dourada linda – além disso, as especiarias combinadas à cebola e ao alho deixaram o frango pra lá de saboroso.

Frango assado marinado em maionese
adaptado da revista Bon Appétit

- xícara medidora de 240ml

1 cebola grande, descascada e cortada em 4 partes
3 dentes de alho
raspas da casca e o suco de 1 limão taiti
1 colher (chá) de páprica defumada
½ colher (chá) de cominho em pó
1 pitada de pimenta caiena
sal e pimenta do reino moída na hora
½ xícara de maionese
4 sobrecoxas de frango, com osso e pele
1 ½ colheres (sopa) de azeite de oliva

Prepare a marinada: em um processador de alimentos, processe a cebola, o alho, as raspas e o suco de limão, a páprica, o cominho e a pimenta caiena até obter uma pasta. Transfira para um refratário grande, junte o sal, a pimenta do reino e a maionese e misture bem. Junte o frango e envolva-o bem na marinada. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por 4 horas (de um dia para o outro é melhor ainda).

Preaqueça o forno a 200°C. Forre uma assadeira grande e rasa com uma camada dupla de papel alumínio. Pincele com azeite para evitar que o frango grude. Retire o excesso de marinada do frango e arrume os pedaços na assadeira preparada, com a pele virada para cima. Regue com o azeite e asse por 60-70 minutos ou até que doure bem e esteja assado por dentro.

Sirva imediatamente – eu servi com salada de agrião, como a revista sugeria, e ficou bem gostoso.

Rend.: 2 porções


Friday, March 24, 2017

Bolo de fubá da tia Angélica - a primeira receita que fiz na vida

English version

Bolo de fubá da tia Angélica / Brazilian corn flour cake

Muitos de vocês sabem que comecei a cozinhar ainda criança – foi por pura necessidade, mas acabou se tornando uma paixão. Também já contei aqui sobre o bolo de fubá da minha tia-avó Angélica e até fiz outros bolos de fubá tentando emular a receita dela, sem muito sucesso.

Felizmente, depois de quase destruir a casa inteira, encontrei a danada da receita em um caderno velho, caindo aos pedaços (que eu, sinceramente, nem lembrava que ainda existia) e pude matar a vontade de tantos anos. O bolo era exatamente como eu me lembrava dele: delicioso, com uma textura levíssima, parecendo uma espuminha.

Os bolos de fubá que fiz nos últimos anos eram gostosos, tanto que os publiquei aqui no TK, porém este foi o primeiro bolo da minha vida, a receita que me colocou na cozinha e me mostrou o quão mágico e maravilhoso cozinhar pode ser – se não fosse por este bolo, o blog provavelmente não existiria, e isso torna a receita ainda mais especial para mim.

Bolo de fubá da tia Angélica
um nadinha adaptado para usar medidas-padrão

- xícara medidora de 240ml

1 xícara (140g) de farinha de trigo
1 xícara (120g) de fubá
1 colher (sopa) de fermento em pó
1 pitada de sal
4 ovos grandes
1 xícara + 2 colheres (sopa) - 224g - de açúcar cristal
¾ xícara (180ml) de óleo de canola
1 xícara (240ml) de leite integral bem quente

Preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga e enfarinhe uma forma retangular de 20x30cm.

Em uma tigela media, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, o fubá, o fermento e o sal. Reserve.
Na tigela da batedeira, bata os ovos em velocidade média até que comecem a formar uma espuma. Vá acrescentando o açúcar aos poucos, batendo sempre, e quando terminar de adicionar o açúcar aumente para a velocidade alta, batendo até obter um creme espesso e bem clarinho – raspe as laterais da tigela com uma espátula de silicone algumas vezes durante todo o preparo da receita. Volte a batedeira para a velocidade média e vá acrescentando o óleo aos poucos, despejando pelas laterais da tigela para não espirrar. Agora, em velocidade baixa, junte os ingredientes secos e bata somente até incorporar – se bater demais o ar incorporado à massa vai se perder. Com a espátula de silicone incorpore o leite delicadamente. Despeje a massa na forma e alise a superfície. Asse por 35-40 minutos ou até o bolo crescer e dourar (faça o teste do palito). Deixe esfriar completamente na forma sobre uma gradinha.

O bolo pode ser guardado em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 3 dias.

Rend.: 20 porções


Tuesday, March 21, 2017

Pãezinhos recheados de pesto e queijo e tradições familiares

English version

Pesto and cheese rolls / Pãezinhos recheados de pesto e queijo

Ontem fiquei pensando sobre tradições familiares e em como algumas delas passam de uma geração para a outra, muitas vezes sem que percebamos.

Meu irmão e eu ficamos muito mais próximos depois do nascimento do meu sobrinho, o que me deixa muito feliz. Aos finais de semana estamos invariavelmente juntos: eles vem nos visitar ou eu e João vamos até a casa dele e da minha cunhada – é tão bom! Impossível não lembrar de quando eu era pequena e dos almoços de domingo na casa da minha avó, ou dos tios de Campinas que vinham passar o dia por aqui – estamos fazendo exatamente o que nossos pais fizeram há quase quarenta anos e foi tão natural que só me toquei disso agora.

Em uma das vezes em que meu irmão e minha cunhada vieram em casa eu tinha acabado de tirar estes pãezinhos do forno – o cheirinho deles era maravilhoso e achei que os adultos iriam adorá-los, porém, para minha surpresa, foi o meu sobrinho quem mais gostou deles. Não imaginei que ele sendo tão pequenino fosse gostar do pesto no recheio – achei que o sabor pudesse ser forte demais, ou algo assim –, mas estava errada. Por isso lhes trago hoje a receita e espero que os adultos me lendo gostem dos pãezinhos tanto quanto o Pingo gostou. :)

Pãezinhos recheados de pesto e queijo
criação minha

- xícara medidora de 240ml

Massa:
¼ xícara (60ml) de água morna
¾ xícara (180ml) de leite integral morno
½ colher (chá) de açúcar cristal
2 ¼ colheres (chá) de fermento biológico seco
1 ovo grande
2 colheres (sopa) – 28g – de manteiga sem sal, derretida e fria
2 colheres (sopa) de azeite de oliva extra virgem
¾ colher (chá) de sal
2 ¼ xícaras (315g) de farinha de trigo comum
½ xícara (70g) de farinha de trigo integral

Recheio:
½ xícara (40g) de folhas de manjericão fresco – aperte-as na xícara na hora de medir
2 colheres (sopa) de queijo pecorino ralado fininho
1 dente de alho pequeno
2 colheres (sopa) de pinoli – podem ser substituídos por castanha de caju ou nozes
¼ xícara (60ml) de azeite de oliva extra virgem
pimenta do reino moída na hora
200g de mozarela ralada grosseiramente

Para pincelar:
1 ovo batido com ½ colher (chá) de água

Comece pela massa: na tigela da batedeira planetária, misture com um garfo a água, o leite, o açúcar e o fermento. Reserve por 5 minutos ou até espumar. Junte o ovo, a manteiga, o azeite, o sal e as farinhas e misture com o batedor para massas pesadas em velocidade média até obter uma massa lisa e elástica, cerca de 8 minutos – se sovar na mão, 12-15 minutos. Forme uma bola com a massa, transfira para uma tigela grande pincelada com manteiga e cubra com plástico filme. Deixe crescer em um lugar morninho da cozinha, longe de correntes de ar, até dobrar de volume, 1 ½ horas.

Recheio: coloque o manjericão, o pecorino, o alho, o pinoli, o azeite e a pimenta do reino em um liquidificador ou processador de alimentos e bata até obter uma pasta – eu não adiciono sal, pois os queijos já são salgadinhos. Reserve. Unte com manteiga uma forma de muffins com 12 cavidades.

Dê um soquinho na massa para remover o excesso de ar. Sobre uma superfície levemente enfarinhada, abra a massa com um rolo até obter um retângulo de 30x50cm. Espalhe o pesto sobre a massa, deixando uma borda de 1cm. Salpique a mozarela sobre o pesto. Começando por um dos lados mais longos, enrole a massa de maneira firme, formando um cilindro. Corte em 12 fatias iguais e coloque cada uma delas dentro de 1 cavidade da forma de muffin, com o lado cortado para cima. Cubra com um pano de prato limpo e seco e deixe crescer novamente por 40-60 minutos – enquanto isso, preaqueça o forno a 200°C.

Pincele os pãezinhos com o ovo batido com água e asse por 20-25 minutos ou até que fiquem bem dourados e assados por dentro. Deixe esfriar na forma sobre uma gradinha por 5 minutos, e então desenforme com cuidado, transferindo os pãezinhos para a gradinha. Sirva mornos ou em temperatura ambiente.

Os pãezinhos podem ser guardados em um recipiente hermético em temperatura ambiente por até 3 dias.
Rolls can be kept in an airtight container at room temperature for up to 3 days. Se desejar, aqueça-os no forno a 180°C por 8-10 minutos antes de servir.

Rend.: 12 unidades


Wednesday, March 15, 2017

Fajitas de frango com tortillas caseiras

English version

Chicken fajitas with homemade tortillas / Fajitas de frango com tortillas caseiras

Sempre penso no quanto meu entendimento de comida mudou na última década, mais ou menos – me sinto grata por ter aprendido tanto desde que comecei a escrever o blog, lá em 2006.

Até então, eu já cozinhava fazia 17 anos, pois aos 11 anos já preparava o jantar para cinco pessoas diariamente. Mas depois do blog conheci novos pratos dos quais nunca ouvira falar antes, novos ingredientes, sabores incríveis, e tudo isso melhorou imensamente meu conhecimento na cozinha.

A primeira vez que ouvi falar de fajitas foi há séculos, e nem me lembro exatamente quando. Depois disso, comi fajitas algumas vezes em um restaurante tex-mex até que conhecido aqui em São Paulo, lugar do qual desistimos após algumas vezes, pois a comida vinha chutada e o preço só aumentava – aliás, não sei vocês, mas a cada dia que passa sinto menos vontade de comer fora, fico horrorizada com os preços e com a qualidade da comida (aquela sensação constante de que eu faço melhor e por muito menos $$).

O que posso lhes dizer é que a fajitas caseiras são imbatíveis, especialmente se servidas com tortillas também caseiras – é algo completamente diferente.

Estas tortillas são tão gostosas que as faço sempre, mesmo que só pra servir com um guacamole básico – depois de prová-las pela primeira vez, meu marido disse que nunca mais queria comer Doritos. :)

Fajitas de frango com tortillas caseiras
Criação minha, inspirada por diversas fontes

- xícara medidora de 240ml

Frango:
3 colheres (sopa) de azeite de oliva
sal e pimenta do reino moída na hora
algumas gotas de Tabasco
1 colher (chá) de cominho em pó
½ colher (chá) de páprica defumada
algumas gotas de molho inglês
1 dente de alho grande, amassado e picadinho
2 folhas de louro
2 filés de peito de frango (cerca de 250g no total), em tiras
1 pimentão amarelo (cerca de 150g), em tirinhas
1 cebola roxa pequena, em meias-luas
1 colher (sopa) de água

Tortillas:
2/3 xícara (94g) de farinha de trigo comum
1/3 xícara (46g) de farinha de trigo integral
¼ colher (chá) de fermento em pó - fermento para bolo mesmo
½ colher (chá) de sal
2 colheres (sopa) de óleo de canola
1/3 xícara (80ml) de água morna

Comece marinando o frango: em uma tigela rasa e média, misture 1 colher (sopa) do azeite, o sal, a pimenta do reino, o Tabasco, o cominho, a páprica, o molho inglês e o alho. Junte o louro e o frango e misture bem para cobrir a carne com a marinada. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por pelo menos 30 minutos, 2 horas se possível.

Agora, as tortillas: na tigela da batedeira planetária, junte as farinhas, o fermento em pó e o sal. Junte o óleo e a água e sove em velocidade média até obter uma massa lisa e elástica, cerca de 5 minutos – se sovar na mão, cerca de 10 minutos são necessários. Cubra com filme plástico e deixe descansar em temperatura ambiente por 30 minutos.

Divida a massa em 6 partes iguais – cada uma terá aproximadamente 40g. Em uma superfície levemente enfarinhada, abra cada pedaço de massa com um rolo até obter um círculo de 20-22cm de diâmetro. Aqueça uma frigideira antiaderente grande em fogo alto e grelhe cada tortilla por 1-2 minutos de cada lado, até que na superfície da tortilla apareçam manchinhas marrons, uns queimadinhos bem saborosos. Se quiser tortillas macias, imediatamente transfira para um prato e cubra com um pano de prato limpo e seco; para tortillas crocantes, transfira para uma gradinha e deixe esfriar, sem amontoá-las. Repita o processo com a massa restante.

Cozinhe o frango: em uma frigideira antiaderente grande (eu uso a mesma em que grelho as tortillas) aqueça o azeite restante. Junte a cebola e o pimentão e refogue, mexendo algumas vezes, até os ingredientes ficarem macios, cerca de 5 minutos. Junte o frango e o restante da marinada e cozinhe por mais 8-10 minutos, mexendo algumas vezes, até o frango dourar e ficar cozidinho por dentro. Junte a água, misture para desgrudar os queimadinhos do fundo da frigideira e então sirva imediatamente com as tortillas e, se desejar, guacamole também.

Rend.: 2 porções

Monday, March 13, 2017

Potinhos de tangerina

English version

Clementine posset / Potinhos de tangerina

Por mais que eu goste de provar coisas novas na cozinha, tenho outra prioridade: não desperdiçar comida, nem um grama sequer, se possível. Nem sempre consigo, há vezes em que falho miseravelmente, mas não desisto.

Semana passada, quando coloquei os cilindros de massa de biscoito na geladeira, olhei para as tangerinas peladas sobre a pia e decidi fazer algo gostoso com elas. Também tinha um tiquito de creme de leite fresco sobrando, então logo pensei em um posset – ou “potinhos”, como andei chamando a sobremesa aqui no blog. É tão simples de fazer que dá até vergonha de chamar de receita, mas o resultado é tão cremoso, saboroso e delicado que eu tinha de dividir com vocês.

Potinhos de tangerina
um nadinha adaptados da sempre ótima BBC Good Food

- xícara medidora de 240ml

300ml de creme de leite fresco
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
¼ xícara (60ml) de suco de tangerina, espremido na hora
¼ colher (chá) de extrato de baunilha

Coloque o creme de leite e o açúcar em uma panelinha e leve ao fogo médio. Quando começar a ferver, aumente para o fogo alto e ferva por exatamente 2 minutos. Retire do fogo e junte o suco de tangerina aos poucos, mexendo – a mistura vai começar a ficar ligeiramente mais espessa. Junte a baunilha, passe a mistura por uma peneira e divida entre 4 potinhos pequenos - se forem de vidro, espere a mistura esfriar um pouco antes de colocá-la nos potinhos. Leve à geladeira por pelo menos 4 horas para firmar.

Rend.: 4 porções

Thursday, March 09, 2017

Biscoitos de tangerina e especiarias

English version

Clementine spiced cookies / Biscoitos de tangerina e especiarias

Acho que dá pra dizer que sou viciada em fazer biscoitos – vocês já devem ter notado – e ultimamente os biscoitos do tipo slice and bake se tornaram meus favoritos: fáceis de fazer e a massa passa um tempinho na geladeira ou no freezer só esperando o momento de ser fatiada e assada.

Apesar de a massa durar um bom tempo no freezer, prefiro assar logo um montão de biscoitos, tanto para comê-los quanto para dividir com a minha família e meus amigos – meio que uma tática para espalhar alegria. :)

Estes biscoitos, deliciosamente perfumados de tangerina e com um toque picante das especiarias, vão deixar a sua cozinha pra lá de cheirosa. A farinha de amêndoa os deixa bem frágeis e difíceis de serem transportados, então para uma massa mais firminha – mas ainda assim incrível – omita o ingrediente e use um total de 175g de farinha de trigo.

Biscoitos de tangerina e especiarias
Um tiquito adaptados do maravilhosamente lindo livro da Annie Rigg

- xícara medidora de 240ml

1 xícara + 1 colher (sopa) - 150g - de farinha de trigo
¼ xícara (25g) de farinha de amêndoa
¼ colher (chá) de fermento em pó
¼ colher (chá) de bicarbonato de sódio
½ colher (chá) de gengibre em pó
¼ colher (chá) de canela em pó
1 pitada de noz-moscada ralada na hora
1 pitada de sal
raspas da casca de 2 tangerinas
¼ xícara (50g) de açúcar cristal
½ xícara (113g) de manteiga sem sal, temperatura ambiente
1 colher (sopa) de mel
½ colher (chá) de extrato de baunilha
2-3 pedaços de gengibre cristalizado, cortados em quadradinhos

Em uma tigela media, misture com um batedor de arame a farinha de trigo, a farinha de amêndoa, o fermento, o bicarbonato, o gengibre, a canela, a noz-moscada e o sal. Reserve.
Na tigela da batedeira, junte as raspas de tangerina e o açúcar e esfregue com as pontas dos dedos até o açúcar ficar aromatizado. Junte a manteiga e bata com a batedeira até obter um creme claro – raspe as laterais da tigela algumas vezes durante todo o preparo da receita.
Junte o mel e a baunilha e bata. Desligue a batedeira e, usando uma espátula de silicone, incorpore os ingredientes secos até obter uma massa – não misture demais.

Coloque a massa em um pedaço grande de papel manteiga e forme um cilindro de aproximadamente 3,5cm de diâmetro com a massa, fechando-a dentro do papel usando uma régua – como a Martha faz aqui. Feche as pontas e leve à geladeira até firmar bem, cerca de 4 horas ou de um dia para o outro.

Pré-aqueça o forno a 180°C; forre duas assadeiras grandes com papel manteiga. Desembrulhe o cilindro de massa e corte em fatias de 5mm. Coloque-as nas assadeiras preparadas deixando um espaço de 2,5cm entre uma e outra. Com jeitinho, pressione um quadradinho de gengibre cristalizado no centro de cada biscoitinho. Asse por 10-12 minutos ou até que os biscoitos dourem nas extremidades. Deixe esfriar na assadeira sobre uma gradinha por 5 minutos e então deslize o papel com os biscoitos para a gradinha e deixe esfriar completamente.

Makes about 30

Friday, March 03, 2017

Bolo de chocolate de uma tigela só, ou Bolo Pinguinho - receita que merece ir para o caderninho

English version

One bowl chocolate cake / Bolo de chocolate de uma tigela só, ou "Bolo Pinguinho"

Há dois anos, mais ou menos, meu apartamento era o lar de dois adultos sem filhos: objectos de vidro aqui e ali, puxadores de gaveta pontiagudos… Agora, há redes na sacada e nas janelas e os objetos de vidro vão para as prateleiras mais altas quando a nossa visita favorita chega: meu pequeno sobrinho, João Pedro, também conhecido como Pingo.

Meu marido e eu fomos de nem saber se tínhamos canais infantis no nosso pacote de TV a cabo a conhecê-los de cor. :)

Também fui apresentada a um desenho chamado Peppa Pig e um dia, depois de meu sobrinho assistir a um dos episódios ele imediatamente pediu por um bolo de chocolate – ou melhor, um “boo cuatche” – igual ao do desenho. Eu não tinha manteiga em casa, por isso dei uma pesquisada e encontrei esta receita: facílimo de preparar e absolutamente delicioso, o bolo continua com uma textura incrível mesmo depois de dois dias (bem tampadinho em um recipiente hermético em temperatura ambiente).

Daquele dia em diante já fiz este bolo diversas vezes e acho que já passou da hora de dividir a receita com vocês – tenho certeza de que vai para o caderninho de todo mundo que provar. Aqui no meu caderninho ela foi rebatizada como “Bolo Pinguinho”, depois que a querida Marcinha o chamou assim lá no Instagram. <3

Bolo de chocolate de uma tigela só, ou Bolo Pinguinho
bolo um nadinha adaptado daqui; a cobertura eu não lembro de onde peguei

- xícara medidora de 240ml

Bolo:
2 xícaras (280g) de farinha de trigo
½ xícara (45g) de cacau em pó alcalinizado, sem adição de açúcar
2 colheres (chá) de bicarbonato de sódio
1 colher (chá) de fermento em pó
½ colher (chá) de sal
½ colher (chá) de canela em pó
1 ¾ xícaras (350g) de açúcar cristal
2 ovos grandes, ligeiramente batidos com um garfo
1 xícara (240ml) de óleo de canola
1 xícara (240ml) buttermilk*
2 colheres (chá) de café em pó solúvel
1 xícara (240ml) de água quente

Cobertura:
3 colheres (sopa) – 42g – de manteiga sem sal, amolecida
3 colheres (sopa) de creme de leite fresco
1 ½ colheres (sopa) cacau em pó alcalinizado, sem adição de açúcar – meça, depois peneire
1 xícara (140g) de açúcar de confeiteiro, peneirado – meça, depois peneire

Bolo: preaqueça o forno a 180°C. Unte com manteiga ou com óleo uma forma retangular de 20x30cm com 5cm de altura – se tiver fundo removível, melhor para desenformar, mas coloque dentro de outra forma, pois a massa é bem líquida e pode vazar um tiquinho.
Em uma tigela grande, peneire juntos a farinha, o cacau, o bicarbonato de sódio, o fermento, o sal e a canela. Misture o açúcar. Junte os ovos, o óleo e o buttermilk e misture bem. Dissolva o café na água quente e incorpore à massa, mexendo até obter uma massa homogênea – a massa é bem líquida, não se preocupe, é assim mesmo.
Transfira a massa para a forma preparada e leve ao forno por 35-40 minutos ou até que cresça e esteja firme ao toque – faça o teste do palito. Retire do forno e transfira a forma para uma gradinha.

Quando o bolo tiver esfriado por 20 minutos faça a cobertura: em uma panela pequena, misture a manteiga, o creme de leite e o cacau. Leve ao fogo médio, mexendo, até derreter a manteiga. Quando a mistura começar a ferver, desligue o fogo e incorpore o açúcar de confeiteiro com uma espátula, mexendo vigorosamente até obter uma cobertura brilhante e homogênea. Espalhe sobre o bolo e deixe esfriar completamente – no bolo da foto eu usei uns confeitos de chocolate que haviam sobrado dos brigadeiros da festa de dois anos do Pingo.

*para fazer 1 xícara de buttermilk em casa: coloque 1 colher (sopa) de suco de limão em uma xícara medidora de 240ml, complete com leite integral em temperatura ambiente e aguarde 10 minutos para sorar; use todo o conteúdo da xícara na usa receita

Rend.: 16-20 pedaços


Related Posts with Thumbnails